Arquivo da categoria ‘Crítikus’


 Você moraria em Cuba, caro leitor? Sim? Não? Não conhece? Para aqueles que por ventura não conheçam, Cuba é um país socialista, sendo composto por uma ilha principal e vários arquipélagos, de clima tropical e rico em belezas naturais, com grande destaque na Educação e Artes.

uma das muitas paisagens paradisíacas de Cuba

 Bem, como eu já disse, Cuba é um país socialista, ou seja, o governo foi criado pensando no povo e com o intuito de promover a igualdade social. Mas o que isso tem de diferente do resto do mundo? muita coisa, caro leitor, para começar a grande maioria dos países do mundo usam o sistema econômico chamado capitalista, incluindo o Brasil, no Capitalismo o comércio está acima de tudo e tudo gira em torno disso, ou seja, o povo em si é secundário o que importa mesmo é o capital produzido ao menor custo possível.

Para alguém ser rico é necessário que muitos sejam pobres em algum lugar

Além de Cuba ainda existem alguns países no mundo que são socialistas (China, Coreia do Norte, Vietnã e Laos), em todos há suas vantagens e desvantagens, mas vamos nos apegar a Cuba o único país latino socialista. Você já deve ter ouvido o nosso governo falar de suas metas para erradicação da fome, da Pobreza, do analfabetismo, reforma agrária, melhoria na saúde e entre tantas outras lorotas que eles usam para nos engabelar durante o período eleitoral, pois é, tirando a erradicação da pobreza, Cuba já conseguiu cumprir essas metas a muito tempo. Cuba é o melhor lugar das Américas para se estudar medicina, todos nesse país tem direito a educação de qualidade, saindo da escola bem capacitados, ninguém é analfabeto no país inteiro, não existem miseráveis ou sem teto, ninguém passa fome, não existem hospitais ou clínicas particulares porque não há necessidade, o sistema de saúde pública e excelente e todos tem acesso sem qualquer tipo de burocracia, sem filas intermináveis, sem preocupação com a compra dos remédios, porque são dados de graça nas farmácias públicas. Mas tudo isso tem um custo.

pesquisadores cubanos que desenvolveram a primeira vacina para câncer de pulmão.

 A qualidade de vida dos cubanos tem um preço alto a ser pago, a liberdade de expressão, sim, o governo cubano é autoritarísta e extremamente rígido com suas diretrizes, além disso o país tem um aspecto visual pobre e sérios problemas com o comercio internacional. Lembre-se o consumismo não é prioridade desse governo e sim o povo. A grande maioria dos Cubanos são pobres, sim pobres, como muitos de nós brasileiros, como a mim a pessoa que vos escreve. O salário dos cubanos é muito parecido entre todas profissões, ou seja,  isso quer dizer que um médico ou um engenheiro pode a vir receber um salário muito parecido com o de um gari. Na prática isso significa um coisa muito simples, você vai estudar para algo que realmente deve amar fazer e não pensando no quanto seu salário vai ser alto, até porque não há muito coisa a se fazer com “todo esse dinheiro em Cuba”, lá não há a enxurrada de coisas inúteis que estamos acostumados a comprar por aqui.

 Mas, os problemas econômicos de Cuba poderiam ser amenizados se não fosse o embargo que os EUA impõe, impedindo que vários países comercializem com cuba, ou seja, eles não podem importar produtos como: Iphone, notes e pcs alienware, carros novos (cuba é famosa pelos carros antigos), motos novas, dentre outros produtos.

 Então se você é pobre, o melhor lugar do mundo para se morar é cuba. mas se você é consumista e está disposto a defender sua liberdade de expressão a todo custo (mesmo que isso não lhe traga nada de bom) Cuba não é o melhor o lugar para se viver.

tradução: "Sim, nós podemos manter o embargo!

Um argumento muito usado entre os aptos ao capitalismo “selvagem”,  é que somos livres para comprar qualquer coisa, mas sinceramente, eu não vejo toda essa liberdade quando olho para o vazio de minha carteira ou conto as moedinhas para pagar o pão.

 Esse é assunto muito interessante e controverso, deixem suas opiniões e comentários.

Anúncios

BOI(a) FRIA NUMA FRIA.

Publicado: novembro 17, 2011 em Crítikus, Inicio

 Se você não sabe (sinal que você é muito desinformado), boi fria são aqueles trabalhadores que cortam cana de açúcar, adivinha pra quê? Bem… esse apelido só pode ser uma piada irônica do destino, afinal os pobres coitados trabalham num sol de rachar e ainda tem que comer a bóia fria? aí foda! Além das péssimas condições de trabalho, caras recebem pouco, coisa de um salário, que convenhamos, se no mundo, quem recebesse mais fosse aquele que mais trabalhasse, os cortadores de cana iriam ser bilionários.

 Em todo caso, esse é o sustento dos caras, que muitas vezes tem famílias com 5 ou 6 filhos, mas esse emprego está com os dias contados. Pelo menos no Estado de São Paulo, onde você ver o ar que respira, logo toda a produção de cana-de-açúcar será automatizada, e então já era emprego de cortador de cana. Essa é uma tendencia que vai atingir tofo o Brasil, mais cedo ou mais tarde, provavelmente mais tarde, e vai deixar um pá de gente desqualificada no olho da rua.

 karalho, ser pobre já uma tarefa difícil, quanto mais ser pobre, desqualificado, com um monte de filhos para alimentar, e ainda ser quase analfabeto.

HORARIO DE S.F.Der!

Publicado: novembro 15, 2011 em Crítikus, Inicio

Estava pensando comigo nessa semana se seria a minha pessoa a única a ter problemas com horários.

PUTA QUE PARIU! Eu odeio horário de verão, que não meu caso significa acordar uma hora mais cedo. Porra bicho! acordar na hora já é um saco, quanto mais acordar uma hora mais cedo. Eu estudo durante o dia e é necessário para mim acordar todos os dias cedo, mas o mais foda é que eu estudo em um estado onde o horário de verão está sendo usando, enquanto que eu moro em um estado que usa o horário normal. PUTA MERDA! é um horror, não sei quem foi quem inventou esse bosta de horário, e por quê não é usado em todo brasil, afinal, no meu caso seria menos irritante.

O mais lasca é que não consigo me acostumar a dormir mais cedo.

HOMUS ERECTUS

Publicado: agosto 5, 2011 em Crítikus, Inicio

 

Doutor, me explica: por que é que às vezes
Quando eu fico parado, sem fazer nada,
O meu pau fica duro?
Não é bexiga cheia,
Não é mulher pelada,
É assim de repente, o meu pau fica duro.

O meu pau fica duro, o meu pau fica duro…
Não deixa não, o samba morrer,
O samba chegou, o samba é você.
Não deixa não, o samba morrer,
O samba chegou, o samba é você.
O meu pau fica duro, o meu pau fica duro…

(Rogério Skaylab)

 

Olá caros leitores,  a quanto tempo. Se você é homem, pois que conhecidência, também sou, vocês devem saber bem do que peculiaridade é essa. vocês meninas podem até não saber ou entender isso, mas nós homens somos muitas vezes flagelados pela vergonha devido a ideias próprias de nossos queridos companheiros de vida, o que aqui vou chamar pelo nome científico popular, o Pau. As vezes acontece de você está no ônibus, cheio de gente fedida, após um longo dia de trabalho ou estudo, você morrendo de dor de cabeça e subitamente seu querido Pau põe-se em prontidão. Irritado você grita: José! (pseudo no do Pau) que diabos você quer a essa hora? fica quieto diabo! Mas ele não ouve, devido a falta de ouvidos, claro que também ele não tem olhos, nem nariz. Ou seja seu movimentos são totalmente imprevisíveis e podem ocorrer a qualquer instante, seja na igreja, na fila da padaria, no meio da aula daquela profª que não deve ser nomeada. enfim em qualquer lugar. Se você discorda disso e é homem então provavelmente você deve estar com alguma disfunção no seu organismo.

 

A DESUNIÃO FAZ A FORÇA

Publicado: julho 18, 2011 em Crítikus, Inicio

 Olá queridos leitores, faz uma tempo que não escrevia nada, a inspiração andava em falta, mas agora estou aqui, para como sempre, reclamar de alguma coisa, e hoje venho inspirado por lembranças de algumas viagens que fiz recentemente.

 

 Quem nunca viajou em grupo que atire a primeira pedra (mas não em mim), seja com o pessoal do trabalho ou da escola, ou faculdade, é uma lastima, mas no geral as pessoas são muito desunidas, egoístas e idiotas.

 Quando uma viagem ocorre sem nenhum imprevisto esse tipo coisa não se nota tão claramente, mas em casos de ocorrer algo não esperado, como quebrar o carro ou ônibus, aí caro viajante leitor, poder esperar pelo pior. É de certeza que alguém vai se fuder, sempre ocorre de algum(s) individuo não ter grana suficiente além do que ele já havia preparado para os dias os dias de viajem programados. É aí que as caras pintadas ficam evidentes e o que era para ser uma viagem prazerosa torna-se um tormento. Vozes alteradas, palavrões e todo o resto da baixaria humana vem a tona, aparentes amigos viram medíocres miseráveis sem compaixão.

 Por fim o transporte vai ser consertado e todos retornaram as suas casas com a certeza de que nunca mais faram uma viajem semelhante outra vez, até se esquecerem da maioria dos atritos, rirem de outros e viajarem novamente.

Exemplo de dois aparentes amigos brigando durante uma viagem mal sucedida

Balão x O Corno Que o Fez!

Publicado: junho 21, 2011 em Crítikus, Inicio

Existem algumas ideias brilhantes que surgem de enigmáticas pessoas, que possuem uma alta capacidade de pensar. São ideias tão brilhantes que chegam a chocar toda uma sociedade, toda uma época. mas esse não é o caso dos cornos que soltam balões.

 O jumento que inventou esse tradição, devia realmente ser uma mula. Pense bem, caro leitor, que droga de graça esses animais veem nessa porcaria. soltar a porcaria de um balão que vai subir lá pra casa do karalho e sair correndo atrás dele, esperando ele cair, claro que ele vai cair, na casa de alguém que não tem nada a haver com balões (que provavélmente odeia-os) ou nos resticios de alguma mata, provocando um incendio que vai destruir o restinho de verde que nos sobra nesse mundo.

 

 Há quem acha chame isso de esporte, tradição, bla bla bla… Mas NÂO! Isso é CRIME! ta na lei! Soltar balões é crime, é burrice e é caro pra caramba. Esses objetos voadores do Satanás, além de darem muito trabalho para serem feitos custam muito caro.  Obvio, o cara tinha que ser um filhinho de papai ou muito mané pra gastar grana a toa.

 Esses meus primos, só me causam vergonha

 Essas porcarias voadoras podem chegar até a derrubar aviões, um risco extremamente alto, sem falar dos gastos que o governo tem no combate aos diversos incendios iniciados pelos balões.

 

 Pois é, época de São João, Vamos reunir todos os baloeiros botar em um balão e manda-los para…. (agora é você quem decide)

caso você tenha um destino  mais apropriado para tais meliantes, coloca aí na opção  Other


Toba de bebo não tem dono, mas e o de um emaconhado? Tem? E se esse bêbado também estivar emaconhado, o toba dele está a salvo ou não?

 

Olá, leitor canabista você tem algum amigo maconheiro? Provavelmente não, pois maconheiro é quem planta a erva que na verdade é um arbusto. Mas, com quase toda a certeza você deve ter um colega que é usuário de algum tipo de droga.

Sendo o bagulho louco ou não, o fato é que as drogas se embrenharam pela nossa sociedade via oral, nasal e anal. A agulha ou pó que destrói muitos lares costuma vir de outros países, como os nossos visinhos latinos, que são os principais produtores mundiais desses produtos maléficos à saúde.

Mas se são tão ruins os danos causados por essas drogas, por que não são proibidas? Psicodélico leitor, você já deve saber que muitas drogas são proibidas no Brasil, mas como em inúmeras outras coisas, nosso país é incompetente na hora da fiscalizar e barrar a entrada dessas drogas no Brasil. Talvez se os policiais recebessem melhor, aí quem sabe eles se sentissem motivados a fazer o seu trabalho (trabalho que eles sabiam que teriam que fazer quando aceitaram o cargo pelo salário que é hoje)?

Mas, no geral, a nossa cultura capitalista adora drogas, todos os dias centenas de pessoas morrem devido ao consumo de cigarros, bebidas alcoólicas e remédios. Tem muita gente que em vez de fumar maconha fuma dipirona!

 

 

Gostou? Não? Comente e ajude a melhorar o Kabruncus

Dê sua opinião sugira algum tema

 

 

Corrigido pelo Profº JORGE

SUS[uspeitei desde o princípio]

Publicado: junho 1, 2011 em Crítikus, Inicio

“Rogo a ti meu santo protetor, meu padim padi Ciço, São Lucas, São Sebastião, Santo Antônio, São João, Nª Senhora das Dores, Nª Senhora do Bom Parto, Nª Senhora dos Pecadores, Nª Sª dos Aleijados, Nª Sª dos Baixinhos, a todos os santos, que me livrem da angústia de necessitar dos serviços do nosso sistema ÚNICO de saúde”. Ele realmente é único.

Hoje, saudável leitor, vou lhes resumir a minha saga de idas e vindas ao PSF e ao Hospital em busca de atendimento médico.

A uns quatro ou cinco meses atrás, comecei a sentir um constante incômodo nos ouvidos, às vezes dor, logo notei que tinha perdido parte de minha audição no ouvido direito. Isso me deixou bastante preocupado, pois toco bateria e adoro ouvir música. Resolvi fazer algo não muito comum entre os homens, procurar ajuda médica, mas isso não seria tão fácil quanto eu imaginava.

Bem, eu não tinha grana, então tive que procurar tratamento público. Orientado por minha mãe fui ao PSF do meu bairro, mas quando cheguei lá as fichas já tinham acabado, me disseram que eu deveria tentar na próxima semana, pois só davam fichas uma vez por semana. Na outra semana retornei ao PSF, mas a fila, como na primeira vez, estava gigantesca e mais uma vez não consegui. Sensibilizada com o meu flagelo, uma das mulheres da fila (gênero que ocupa 99% da fila) meu deu uma dica. “Venha de madrugada ou não conseguirá”. Assim o fiz. Na outra semana, à meia noite eu cheguei ao PSF, mas já havia uma fila de quatorze mulheres; por sorte, às nove horas da manhã desse dia foram distribuídas quinze fichas.

O médico que me atendeu me deu seu parecer sobre meu problema embasado em seus muitos anos de estudo árduo e seus tantos anos de experiência. “Meu filho, eu não sei o que você tem, mas vou lhe encaminhar para alguém que talvez saiba o que você tem, mas que escreve tão horrível quanto a minha pessoa”. Vocês devem imaginar o quão alegre eu fiquei com tamanha perda de tempo e sono; em todo caso, me disseram que eu devia ficar feliz, pois o Otorrino que devia ver só aceitava pacientes com encaminhamento.

O tal Otorrino somente atendia no hospital (o único da cidade), tive arrepios ao saber esse fato pavoroso. Se você, expressivo leitor, já esteve em um hospital público sabe o quanto é desagradável tal recinto. Gente morrendo, com infecções, gente gritando e chorando num vale de lágrimas, sangue escorrendo por orifícios, e o pior de tudo, o mal e demorado atendimento. Mas como no PSF, primeiro era preciso pegar outra ficha, mesmo com o encaminhamento em mãos. Dessa vez eu já sabia o segredo, era só chegar de madrugada e isso tinha que dar certo, pois as fichas para o Otorrino eram apenas seis e só eram distribuídas uma vez por mês.

Ao chegar ao hospital, em plena meia noite, tive uma desagradável surpresa: a fila que já havia ali tinha mais de trinta pessoas; mas ainda havia esperança, afinal muitos ali deveriam estar à procura de outros tratamentos. Oito horas depois minhas esperanças acabaram: as fichas foram distribuídas e não sobrara nenhuma para o que eu precisava. Logo após tamanha decepção, fiquei sabendo que o tal Otorrino também tratava problemas das narinas e garganta, o que iria dificultar minha vida naquele momento.

Um mês depois, com as dores do meu ouvido ainda piores, retornei ao hospital na expectativa de, agora sim, conseguir a droga da ficha! Para isso tinha chegado uma hora mais cedo que da última vez, ou seja, no dia anterior. Tudo em vão, quando cheguei a fila estava maior que da outra vez: mais uma vez saí frustrado e sem a maldita ficha. E assim se sucedeu nos dois meses seguintes, já estava pra desistir, mas minha mãe tinha uma ideia e já não me sobravam alternativas.

No dia das consultas, fui acompanhado de minha mãe ao hospital, mas não para tentar pegar a ordinária ficha. Chegando lá, sentei em um dos desconfortabilíssimos bancos enquanto minha mãe fora falar com uma amiga que trabalhava no hospital. O caso é que, às vezes, pessoas desistem de ir à consulta, sobrando uma vaga, e lá estaria a minha pessoa para ocupá-la. Após duas horas de espera, uma das pessoas que esperava na fila para ser atendida pelo Otorrino passou mal, e eu acabei tomando o seu lugar (é como dizem, há males que vem pro bem), mas antes da minha vez , tive de esperar o sobrinho da recepcionista ser atendido, o safado chegou depois de mim sem encaminhamento nem nada e foi posto na minha frente.

Após o intrusão ter saído, finalmente eu fui atendido. O médico parecia meio apressado, me fez  duas perguntas, socou um aparelho nos meus ouvidos, me entregou uma receita inelegível e um até logo. Cinco meses de Dureza para um atendimento de dois ou três minutos que findaram minha saga pelo nosso e querido Sistema ÚNICO de Saúde. Só espero que o remédio funcione.

 

 

 

 

Corrigido pelo Profº JORGE


Por favor, pessoal, me escutem! Façam uma fila indiana! Isso mesmo, muito bem, um atrás do outro. Como é? A fila já tá dando a volta no quarteirão? Mas não tem jeito, essa é a melhor maneira! Desculpe senhor, eu sei que o senhor chegou às cinco da manhã, senhor, e já é cinco da tarde, senhor, que o senhor passou esse tempo todo em pé e com fome, sei que o senhor está cansado. Mas os ingressos acabaram, senhor! Passe bem!

 

Olá novamente, acomodado leitor, você nesse momento deve estar sentado enquanto lê esse artigo, bem acomodado e confortável, mas se você hoje estiver com sorte, você vai ter que se retirar do seu conforto para pagar alguma conta, receber sua bolsa-família, comprar remédio, ir ao banco, etc. Todas essas tarefas e outras tantas envolvem um potencial perigo, algo devastador, algo que já atormentou e atormenta a vida de muita gente, UMA FILA INDIANA!

Eu não sei se foram os indianos que inventaram a tal irritante fila que conhecemos tão bem, mas com certeza eles a tornaram famosa. Hoje em dia esse termo não é muito usado, mas em textos mais antigos via-se muito o uso dessa expressão.

O fato é que esse meio de organização é realmente mais prático do que um monte de gente se aglomerando em direção a um único ponto. Mas hoje em dia existe gente demais no mundo e essa organização tente a torna-se inútil ou extremamente desagradável (aliás, já extremamente desagradável).

Hoje em dia existem alternativas bem menos irritantes, como marcar hora antecipadamente, pagar ou comprar via internet, fornecimento de senhas aos clientes que esperam confortavelmente sentados a sua vez. Mas para a grande maioria do povão isso é só sonho, e o jeito é a gente esperar os indianos popularizarem uma forma melhor de se ter um serviço.

 

 

Gostou? Não? Comente e ajude a melhorar o Kabruncus

Dê sua opinião sugira algum tema

 

 

Corrigido pelo Profº JORGE

BUSÚ DO INFERNO

Publicado: maio 18, 2011 em Crítikus, Drops

Olá, pedestre leitor, você mora em cidade grande? Não? Sim? Precisa deslocar-se, mas não tem carro ou moto? É longe demais para ir a pé ou de bicicleta? Então você vai ter que pegar um BUSÚ DO INFERNO!

 

Informado andante leitor, você, melhor que ninguém, deve conhecer o imenso, o altíssimo, o grandessíssimo, o inigualável prazer que se tem ao andar de ônibus. Ir em pé, todo suado, com um calor tremendo e um cara por traz lhe encoxando são alguns dos distintos prazeres dos usuários desse magnífico meio de transporte. Sendo o principal tipo de transporte coletivo do Brasil, pouquíssimas pessoas não sabem do que estou falando.

A coisa realmente aparenta ter vindo do inferno, e durante o trajeto sempre se tem a impressão que o Busú está retornado ao mesmo levando as almas que sem opção tiveram que tomar essa condução.

Claro que brasileiro tem muita sorte e, portanto para orgulho nacional, podemos sempre apreciar as qualidades do Busú em todos os outros coletivos, seja metrô, besta, van, etc.

Mas afinal, paciente leitor, o povo brasileiro é um povo unido, camarada, que gosta de proximidade com seus compatriotas. Deve ser por isso que o governo não tem políticas sérias em relação ao transporte público pois eles sabem que gostamos de andar de ônibus bem juntinhos, grudados, como sardinhas em lata enferrujada, caindo aos pedaços e que às vezes, pra dar uma emoção a mais, o volante desprende (deve ser por isso que eles já avaliam o preço da passagem contando com as pessoas que irão sorridentes e alegremente em pé). Coisas do nosso Brasil.

 

Corrigido pelo Prof° JORGE